DADO E O REINO ANIMAL











           Tudo começou quando o pai de Dado Villa-Lobos, foi transferido para Brasília, em 1979. Ele cursou o segundo grau e passou no vestibular para a faculdade de Sociologia. "Esse não era exatamente o lance que eu estava a fim de fazer", afirma.

           O nome: Como quase todos jovens de Brasília na época, aprendeu um pouco de guitarra e estava montando sua primeira banda, só que ele não tinha uma correia para sua guitarra, foi quando seu amigo Herbert Vianna (Paralamas) lhe ofereceu uma, mas em troca, Dado teria que batizar sua banda de Dado e o Reino Animal.

           Formação: A banda era formada por ele e Loro Jones nas guitarras, Dinho Ouro-Preto no baixo, Marcelo Bonfá na bateria e Pedro Thompson Flores nos teclados.

           O som era instrumental e suas gravações em fitas cassete animavam as festinhas em Brasília. A banda fez apenas um show e se destacou por ser a primeira banda da turma a ter teclados.

           Ouça algumas músicas atribuídas a banda Dado e o Reino Animal:

Instrumental 1:
Instrumental 2:


   Trecho do livro "O diário da turma 1976-1986- A história do rock de Brasília", de Paulo Marchetti:

Nasceu de uma brincadeira entre amigos. Não durou muito. Fizeram apenas um show na UNB. Há alguns registros de ensaios.
LORO - Antes do Capital Inicial aparecer e a Blitx 64 acabar, eu formei uma banda. Era eu, Bonfá, Pedro Thompson no teclado, Dinho tocando baixo e o Dado tocando guitarra. Era o Dado e o Reino Animal. Esse nome rolou porque o Dado era o único que não sabia tocar sequer uma nota. Ele tinha uma guitarra que chamávamos de Dadocaster (trocadilho com o nome de um modelo de guitarra da marca Fender, chamada Stratocaster). Ele era bem novo. Enquanto nós tocávamos, ele ficava afinando. Ensaiávamos no apartamento do Dinho.
DINHO - Eu me lembro de um ensaio no quarto do Bonfá. Foi a primeira banda da Turma com teclado. A idéia era legal, mas não tocávamos nada, o que valia era a intenção. O show que o Dado e o Reino Animal deu na UNB, junto com o Aborto e a Plebe, foi terrível. Toquei com o baixo completamente desafinado. Eu estava acostumado a ensaiar sentado, com o baixo apoiado em minha perna. No show, tive de tocar em pé e não agüentei, toquei tudo errado. Foi uma bagunça generalizada.
DADO - Eu comecei a tocar depois de ver o Aborto Elétrico. Eu tinha uma guitarra que o Loro chamava de Dadocaster. Até fiz o único show do Dado e o Reino Animal com ela desligada. Essa banda ensaiava na casa do Thompson Flores. Às vezes tinha loló e os ensaios viravam uma zona. Todo mundo tocava e todo mundo cantava.
PEDRO RIBEIRO - Essa banda era uma coisa à parte. Nela, fora o Loro e o Bonfá, ninguém sabia tocar. Nessa época, surgiam pequenas bandas que ensaiavam algumas vezes faziam meia dúzia de músicas e acabavam.

(Fonte: O diário da turma 1976-1986- A história do rock de Brasília", de Paulo Marchetti)

Programa Dado e o Reino Animal - Usina do Som

           Dado Villa-Lobos lançou no dia 04 de junho de 2001 seu programa "Dado e o Reino Animal" na rádio on-line da Usina do Som. Idealizado, apresentado e gravado por Dado, o programa era gravado em seu estúdio. Dividido em quatro blocos, tinha duração de uma hora e ia ao ar toda segunda-feira, às 16hs, mas podia ser escutado qualquer dia no site.
           Na estréia, Dado mostrou duas músicas absolutamente inéditas: uma versão para "I Will Follow", do U2 regravada por ele para o projeto JAM 80 com Dinho do Capital Inicial fazendo as vozes de Bono Vox, e a versão na íntegra, não editada de "Que País É Este" da Legião Urbana gravada no Metropolitan em 1994. Além disso, Nicolau Villa-Lobos, filho do Dado, entrevistou o "tio" Dinho em show do Capital Inicial em maio no Rio de Janeiro.

      


"Não sei nem se estou mais na minha, nem na sua vida"
"Não percebi correntes me prendendo aqui até o instante em que tentei partir."
Fã-Clube Oficial Dado Villa-Lobos. All rights reserved.
Developed by Roberta Raquel Leismann